Cuidados essenciais

A medicina paliativa para o cuidado de doenças crônicas é a garantia de bem-estar para o paciente

7 de março de 2018 - Por: Redação

Logo_VCH PEQUENA

APRESENTA

hospice_cuidados essenciais

Com a aplicação da medicina paliativa é possível evitar que uma pessoa sofra no momento de fim de vida. O objetivo é valorizar a vida, independentemente do tempo que ainda lhe resta. Conversamos com a Dra. Clarice Nana Yamanouchi, oncologista responsável pelo Serviço de Cuidados Paliativos do Valencis Curitiba Hospice para saber um pouco mais sobre como isso ajuda com o bem-estar do paciente.

 

Por que investir em cuidados paliativos?

Para se fazer Cuidados Paliativos, investe-se não somente em estruturas físicas, mas na formação de pessoas, que são os profissionais e os cuidadores. Isto resulta em aumento na qualidade de vida e inclusive no tempo de sobrevida dos doentes. O objetivo é valorizar a vida da pessoa, independentemente do tempo de vida, agregar qualidade no cuidado. O aumento de idosos na população e as doenças tornando-se mais crônicas, em decorrência de melhoria nos tratamentos, têm ampliado o leque de indicações e necessidades dos cuidados paliativos.

 

Podemos dizer que os cuidados vão proporcionar melhor qualidade de vida ao paciente?

Sim, o objetivo é conseguir o melhor controle possível dos sintomas, aliando a ciência à sua biografia social e cultural e à espiritualidade do indivíduo. Isso proporciona conforto, permitindo a pessoa viver enquanto realiza tratamento específico para uma doença potencialmente letal.

 

Quais são as doenças que mais se beneficiam com cuidados paliativos? 

Todas as doenças que causem sintomas que pioram a qualidade de vida têm indicação de cuidados paliativos. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), doenças cardiovasculares correspondem a 38% dos casos, e o câncer a  34%, mas várias doenças degenerativas e, inclusive infecciosas, também são beneficiadas com cuidados paliativos.

 

Quais os problemas mais frequentes que a medicina paliativa enfrenta?

Os maiores problemas estão relacionados com informação e com os mitos, por parte dos profissionais da área de saúde, em que relaciona cuidados paliativos apenas com cuidados ao fim de vida, e com o conhecimento da população em geral, que acredita que cuidados paliativos se iniciam quando não há mais nada o que fazer. Na verdade, em cuidados paliativos olhamos mais para a pessoa e não somente para a doença. Outras dificuldades estão também no campo de novos medicamentos para controle de sintomas, desde a pesquisa até viabilizar seu acesso e seu uso.

 


VALENCIS CURITIBA HOSPICE

Rua Euclides da Cunha, 841 | Bigorrilho

41 3079-8080

valencis.com.br

 

Posts Relacionados

Alimentação no outono: o que comer para evitar doe... Embora não pareça, o outono já está entre nós. Com as mudanças bruscas entre temperaturas mais altas e mais amenas nessa estação, quem mais sofre ...
Como diferenciar a gripe, o resfriado e a dengue Cada vez se fala mais dela: a dengue. Em 2016, mais de 800 mil pessoas no Brasil foram diagnosticadas com a doença, segundo o Ministério da Saúde....
Terapias Integrativas: conheça seus benefícios APRESENTA Terapias de diversos tipos têm ajudado pessoas a ter uma melhor qualidade de vida quando estas recebem um diagnóstico de uma doença c...

Viverno digital

Loading...