Enxergue MELHOR

16 de maio de 2013 - Por: Redação


 transplante de córnea não é mais a única solução para os pacientes que são diagnosticados com ceratocone ou outras deformidades da córnea. As lentes esclerais vêm ganhando força mundial no restabelecimento da visão. Oftalmologistas acreditam que as lentes esclerais serão um novo padrão no tratamento destas enfermidades corneanas. A boa notícia é que estas lentes − que antes eram apenas fabricadas nos Estados Unidos − passaram a ser produzidas no Brasil, tornando essa a opção muito mais acessível.

As lentes esclerais são indicadas principalmente para pacientes com deformidades na córnea: como o ceratocone, degeneração marginal pelúcida, distorções de córnea pós-transplante, pós-trauma ou pós-cirurgia refrativa. Além destas, algumas doenças oculares que cursam com olho seco podem também ser controladas com estes tipos de lentes de contato. O mais interessante é que pacientes que não se adaptam bem ao uso de outros tipos de lentes de contato rígidas (RGPs), com as esclerais sentem um conforto muito maior, pois elas não tocam as áreas sensíveis da córnea e a mantém constantemente hidratada.

 

Como funcionam?

A principal característica das lentes esclerais é o seu desenho. Diferente das lentes convencionais, estas lentes apoiam-se na esclera (a parte branca do olho). Isso mantém a superfície da córnea, que é extremamente sensível, livre do contato com a lente. Desta forma, seu uso é muito bem tolerado, inclusive por pessoas que não se adaptam às lentes rígidas convencionais. São mais confortáveis e não caem dos olhos porque possuem menor mobilidade, evitando que por baixo delas entrem ciscos e outras impurezas. Outro diferencial é o material com que são produzidas, extremamente permeável ao oxigênio, o que garante a saúde da córnea mesmo com o seu uso frequente. Também é importante destacar a rigidez destas lentes, pois é isso que garante a melhora da qualidade da visão em quem usa.

Vale lembrar que as lentes esclerais devem ser adaptadas em consultório e por terem um desenho diferenciado, apenas oftalmologistas especializados e certificados podem adaptá-las. Após análise profunda do olho e da córnea, durante consulta e com exames específicos, é que o profissional pode determinar se as lentes esclerais são as mais indicadas.

 

Drª Fernanda Piccoli Schmitt

Médica Oftalmologista

(CRM 20914) Hospital

Barigui de Oftalmologia

Av. Cândido Hartmann, 1712 Mercês

41 3075-2020

Posts Relacionados

Aparelho auditivo: Cada vez mais bonito, confortáv... Foto: Felipe de Souza   Se você é uma pessoa que se preocupa com questões estéticas e deixa de lado o aparelho auditivo ou até mesmo fica ...
Adultos mais altos: é possível crescer após a adol... APRESENTA Não é difícil encontrar alguém que se sinta insatisfeito com sua altura. Porém, sabemos que as pessoas crescem até uma determinada idad...
Modulação hormonal: O que é e como funciona Dr. Alexandre Kaue Sakuma, especialista em fisiologia hormonal, explica como funciona a modulação hormonal   Com o passar dos anos você te...

Viver no digital

Loading...