Paciente terminal: como funcionam os cuidados paliativos

Saiba a importância destes cuidados e como uma equipe multidisciplinar pode ajudar neste momento

20 de junho de 2017 - Por: Redação

Logo_VCH PEQUENA

APRESENTA

 

 

Fernanda Tuoto, enfermeira do Valencis Curitiba Hospice, explica como são os cuidados com um paciente terminal (Foto: Mariana Barcellos)

Fernanda Tuoto, enfermeira do Valencis Curitiba Hospice, explica como são os cuidados com um paciente terminal (Foto: Mariana Barcellos)

 

Precisamos falar de um assunto delicado. Quem não conhece alguém que já encarou alguma doença terminal? É justamente nessa fase que emergem os cuidados paliativos, uma filosofia de cuidado que visa minimizar os desconfortos no fim de vida. Para um atendimento de qualidade, é preciso uma atuação de uma equipe multidisciplinar, como explica a enfermeira do Valencis Curitiba Hospice Fernanda Tuoto.

 

TODOS POR UM

Vários profissionais podem compor uma equipe multidisciplinar: médicos, enfermeiros, nutricionistas, terapeutas ocupacionais, psicólogos e fisioterapeutas ajudam no trabalho. A equipe pode contar ainda com consultores externos para ajudar nos mais variados assuntos, além de pessoas que não necessariamente estão ligadas à área da saúde, como um orientador espiritual, para acalentar a alma dos pacientes e familiares. Profissionais que atuam com aplicação de terapias integrativas, como massagens relaxantes, musicoterapia e aromaterapia também são bem vindos.

 

CONFIANÇA

Como o paciente permanece por um período estendido para receber os cuidados necessários nos momentos finais de vida, ele percebe que cada profissional tem o seu papel no tratamento e acaba sentindo-se mais confiante, inclusive para tomar decisões referentes ao seu próprio tratamento. Em uma equipe multidisciplinar todos os profissionais têm voz, o que acaba contribuindo para o entendimento que está amparado por todos.

 

VAI ALÉM

Muitas vezes os profissionais acabam entrando um pouco na área do outro e os saberes de cada um tornam-se complementares. Como a equipe é diferente do ponto de vista também de atuação e lida com o processo de morte e de luto diariamente, a empatia, nesses casos, é essencial para o bem-estar do paciente e para que o trabalho seja mais efetivo do ponto de vista humano.

 

PACIENTE

Com o apoio da equipe multidisciplinar o paciente e sua família tem a possibilidade de trabalhar o processo de morte com mais tranquilidade, evoluindo para um desenlace da vida de forma mais serena, com o mínimo de sofrimento físico, emocional e espiritual. Afinal, a equipe está apta a ajudar o paciente a compreender a situação, fazendo com que ele resolva todas as questões pendentes que permeiam sua vida, de modo mais ameno.

 

FAMÍLIA

Para a família, a equipe ajuda a ter um luto menos pesado, para que o processo seja menos traumático e com menos sofrimento. O vínculo formado entre o familiar e algum membro da equipe é fundamental para isso, pois nem sempre estamos preparados para a morte nem sabemos como será a reação no momento. Mas a equipe, independentemente do profissional, vai proporcionar o conforto necessário.

 


VALENCIS CURITIBA HOSPICE

Rua Euclides da Cunha, 841 | Bigorrilho

 

Posts Relacionados

Financiamento coletivo ajuda a colorir hospital   Hospital Angelina Caron inspirou-se em outros trabalhos artísticos realizados em instituições de saúde (Foto: Art Porn)   Crowdf...
Como prevenir e tratar uma lesão esportiva APRESENTA Temos visto cada vez mais pessoas se interessando pela prática de atividade física, seja corrida, bicicleta, musculação, crossfit, entr...
Ganchos ou laser? Se você pensa que para dizer adeus às varizes é preciso fazer uma cirurgia muito complicada, é melhor repensar. Um dos procedimentos que têm feito a c...

Viverno digital

Loading...