Cabeloterapia

4 de dezembro de 2015 - Por: Redação


Eles estão sempre a postos para ouvir os segredos, enxugar as lágrimas, alisar os cabelos, dar aquela dose de ânimo e de tinta capazes de transformar o dia de qualquer mulher. Tanto que muitas delas, em tom de brincadeira ou não, confessaram à nossa equipe que podem até trocar de marido, mas de cabelereiro jamais! Conheça algumas histórias de amor entre esses profissionais especiais e suas clientes e inspire-se. Afinal, quando o assunto é a sua beleza, se você não tem um grande amor não é uma mulher completa.

Beto Vogue do Expert Beauty Center Batel, cabeleireiro há 21 anos, lembra que “não adianta você ser o melhor cabeleireiro do mundo e não estar em sintonia com a cliente”. Ele já construiu relações tão fortes que afirma que algumas até já choraram em sua bancada. Mary de Miranda Sette passou por uma separação e o cabeleireiro acompanhou toda a história. Segundo a cliente, além de divertido, ele tem um “quê” de psicólogo. “É impossível sentar ali e não falar sobre essas coisas que aconteceram, e hoje também temos amigos em comum, então o papo é gostoso e a gente não vê a hora passar”. Para ela, quando a mulher se arruma há uma melhora na autoestima, pois na vida há sempre altos e baixos. “Ele sempre me motiva e fala: ‘Mary, vamos lá! Vamos fazer alguma coisa, dar um up’, e eu saio com a energia totalmente renovada. É uma sintonia que a gente tem. É muito mais do que um cabeleireiro e uma cliente”.

Ele sabe do que eu gosto

Luciane Potrich conheceu Beto há cerca de 10 anos ao fazer uma escova, e aos poucos começou a cortar e a tingir os fios com o profissional. “Para você entregar o seu cabelo, que muda tudo, é preciso confiar para sentar e dizer: faça!” Quando ela tem qualquer evento, até em outra cidade, é sempre o hairstylist quem a arruma. A confiança é tanta que Luciane diz nem pensar mais em tipos de penteados e cabelos. “Ele sabe do que eu gosto”, conta.

Amiga na dose certa

Dinorah Silveira, do Lady & Lord, cabelereira há 33 anos, conta que muitas vezes suas clientes têm mais afinidade com ela do que com um parente. “Tem coisas que a pessoa não pode conversar com alguém da sua casa e conversa comigo. Mas eu também tenho que saber dosar essa confiança e construir essa relação com muito respeito”, conta. “Eu sempre pergunto o que ela quer e respeito esse desejo. Por mais que eu atenda a pessoa há anos”.

Rosemari Régio dos Santos é cliente de Dinorah há 21 anos. Ela veio do interior para Curitiba e demorou a encontrar um profissional que a agradasse. Até conhecer Dinorah, que na época tinha um salão perto de sua casa. “Minha mãe foi a primeira a ir lá e gostou, depois fui eu e depois minha irmã Thelma. Ela trocou de salão algumas vezes, e onde ela vai eu vou junto”.  A amizade entre elas é grande. “Eu viajo bastante e quando volto trago as fotos para mostrar e conto tudo o que aconteceu. Através dela eu até já dei dicas para outras pessoas que iam para o mesmo país”.

Thelma Régio Vilela, irmã de Rosemari, também é cliente da profissional há anos. Dinorah a arrumou para o casamento de seus filhos e várias datas especiais. “Para o casamento do meu filho, ela foi até a minha casa e arrumou a mim, minha mãe, três irmãs e uma sobrinha”. Para as duas, o mais importante para que essa relação dê certo é que cada um respeite o seu espaço.

A amizade chegou primeiro

Leo Zaniboni, hairstylist do W Crystal, construiu uma amizade com uma curitibana quando ainda trabalhava em São Paulo. Lilica Mazer é sua cliente há três anos e os dois se conheceram quando frequentavam a mesma academia. “Nossa relação começou como uma amizade pessoal e depois todas as mulheres do nosso grupinho da academia estavam fazendo o cabelo com ele”. Os dois ainda tinham uma relação profissional, assim a amizade foi ficando mais forte. “Saíamos no fim de semana, um frequentava a casa do outro, íamos a festas, começamos a ficar muito próximos, e agora ele veio para Curitiba. Eu moro em São Paulo, mas aqui é a minha cidade, venho para cá pelo menos uma vez por mês. Ou saímos almoçar, ou eu venho ao salão fazer o cabelo. Sempre temos algum contato”. Ele participa muito da rotina de Lilica, sabe o que está acontecendo na família e no trabalho. “Ele virou um confidente também”, confessa.

Para ela, ir ao cabeleireiro é uma terapia: “Um dia eu estava no salão com o Leo e recebi uma ligação que me deixou completamente estressada. Eu desliguei, contei a ele o que tinha acontecido e isso já fez eu me sentir melhor. Então não é só a beleza, é por dentro também”, conta.

O sonho em realidade

Joel Tracz Kapplumm, cabeleireiro do Torriton Pátio Batel, é o queridinho de Lucia Maria Gonçalves de Resende e Giselle Macedo. Para ele, o essencial para que a relação seja duradoura é dar atenção especial a cada cliente. “Cada ser humano é único e eu não posso tratar todas da mesma forma. Além disso, as minhas clientes são muito exigentes”. Segundo Joel, a mulher chega até ele com um sonho, e o seu trabalho é torná-lo realidade.

Giselle Macedo entrega as madeixas para Joel Tracz Kapplumm de olhos fechados há cerca de 10 anos

Giselle Macedo entrega as madeixas para Joel Tracz Kapplumm de olhos fechados há cerca de 10 anos

Bem casados

Já Giselle Macedo conhece o cabeleireiro há cerca de 10 anos, pois trabalhava em televisão e precisava estar sempre arrumada, variando bastante os cabelos, entre chapinha, baby liss e outras opções. “Ele acerta muito sem tirar a minha característica. Sabe que eu gosto de finalizar a minha franja, então ele faz e já me entrega o pente. Ele respeita isso”. A jornalista conta que a amizade é forte entre eles, que, quando estão no salão, conversam sobre tudo. “2014 e 2015 foram anos muito difíceis para mim, tive problemas de saúde com a minha mãe… O Joel também teve problemas, e a gente conversa sobre isso. É uma troca”, afirma.

Giselle tem um cabelo louro bastante desejado pelas mulheres. “Eu já dei o telefone dele para muita gente! Ele sabe fazer essa combinação de tons para que o cabelo não fique amarelo”. Atualmente os dois têm tanta intimidade que qualquer eventualidade a cliente tem essa abertura: “Se ela não gostar ela me liga, ou manda mensagem, a hora que for”, conta Joel. Os dois estão sempre em sintonia e “bem casados”!

Você troca de marido, mas não troca de cabeleireiro?

“Isso já aconteceu! Eu já troquei de marido, mas o cabeleireiro é o mesmo há 21 anos”. Mary de Miranda Sette

“Sou casada há 25 anos e eu não trocaria nem de cabeleireiro nem de marido. Sou fiel aos dois e bem feliz com os dois. Quero continuar assim por muito tempo! Time que está dando certo a gente não muda” Giselle Macedo

 “Sim. Por que razão você separaria do seu cabeleireiro? Ele é uma vontade sua, que você gosta, o cara que você conversa, faz bem o cabelo… Agora o marido já não, você briga, tem estresse… É outra relação” Lilica Mazer

Posts Relacionados

Aprenda com Ricardo Dória os segredos para empreen... Foto: Mariana Barcellos   Esta semana teremos uma série de matérias sobre inovação aqui no site. Conversamos com seis empreendedores de Cu...
Como montar uma festa intimista Cerimônias de casamento ganham charme e elegância com o mobiliário adequado | Foto: Vimo Vídeo Foto Seja um casamento, um aniversário, uma formatu...
Para o alto e avante Foi a natação que estimulou a paixão de Joel Kriger por esportes. A convite de um amigo começou a caminhar e a subir montanhas ao redor do mundo. Nos ...

Viverno digital

Loading...