Está de passagem?

Galerias comerciais estão de volta à capital com a ideia de valorizar o local e facilitar o dia a dia de quem mora pertinho

4 de abril de 2018 - Por: Redação

A diretora da Galeria, Sabrina, e o empresário Rodrigo unidos para atender o público cada vez mais exigente Foto: Priscilla Fiedler

A diretora da Galeria, Sabrina, e o empresário Rodrigo unidos para atender o público cada vez mais exigente Foto: Priscilla Fiedler

 

Basta uma voltinha pelo centro para perceber que as galerias comerciais estão voltando. Elas apareceram por aqui em meados de 1950 e tornaram-se referência quando se falava em compras. Conhecidas como galerias de passagem, pois fazem ligação entre duas ruas paralelas para os pedestres, elas estão ressurgindo em diferentes pontos da região central e agradando a quem mora por perto. Entre antigas e novas, Curitiba tem aproximadamente 18 desses espaços. A mais recente é a Galeria Guimarães & Cia., localizada entre as ruas XV de Novembro e a Amintas de Barros. “O que percebo é que as pessoas usam a galeria para se conectar. Tem wi-fi, tomada… enfim, algumas comodidades que ajudam quem quer passar um tempo ou fazer negócios. Neste mundo cada vez mais integrado, serve também para conectar as pessoas, pois o espaço permite a socialização”, fala Jane Appel, moradora do Hub, edif ício que fica acima da galeria. “Não posso deixar de falar da segurança, pois posso sair do meu apartamento e entrar direto sem precisar ir à rua. Tem comodidade, proteção e facilidade. E o melhor de tudo, passo um tempo ali e acabo falando com os moradores do próprio prédio quando tomo um café, por exemplo”, complementa. A segurança é também o ponto que a moradora do prédio Sonia Carneiro Bittar reforçou. “Sempre que posso desço até a galeria para tomar um café, sentar nos bancos e conversar. Tudo isso com segurança. Tenho que passar por aqui sempre e é bom encontrar lugar para comer, sentar e ver o movimento”, brinca a simpática senhora.

 

CONCEITUAL

“O conceito das galerias que existem há décadas na Europa é maravilhoso. São espaços comerciais que podem ser até ponto turístico, como é o caso da Vittorio Emanuele, em Milão, ou a Lafayette, em Paris. São espaços de convivência e facilitadores da vida das pessoas”, explica a diretora comercial da Guimarães & Cia., Sabrina Rispoli Iglesias. “As galerias perderam seu espaço em decorrência dos grandes centros de compras, mas agora existe um movimento que merece ser destacado. A ideia é privilegiar o regional, o local, poder fazer as coisas a pé, sem ter de ficar procurando lugar para estacionar. Esse é o grande conceito que estamos resgatando. Afinal, as pessoas não querem mais trânsito, preferem o seu bairro, elas preferem consumir perto do seu trabalho, da sua casa. Essa é nossa intenção, ocupar essa lacuna e atender o público para que ele encontre produtos, serviços, estabelecimentos necessários para suprir suas necessidades”, explica. Segundo Sabrina, o espaço difere-se das galerias do Centro da cidade em muita coisa, desde sua estrutura f ísica até mesmo com uma gestão completamente diferente. “As características comerciais que ela imprime são muito mais modernas, e as ideias que temos para implantar no decorrer da sua existência são inovadoras. Para deixar o espaço acolhedor, já temos o projeto cultural superbacana Música na Galeria, para valorizar os artistas locais e transformar a galeria em um espaço colaborativo para a arte e cultura.” “A maior vantagem é estar num espaço com outros comerciantes, o movimento de um ajuda o outro. Quanto mais cheia a galeria mais movimento ela terá e isso é bom para os empreendedores que estão nela. Acredito que até os comerciantes do entorno se beneficiaram com a construção da galeria, bom para a região, bom para todos”, comenta Rodrigo Abu-Jamra Corrêa, empresário que ocupa um dos espaços comerciais.

 

ANDANDO SOBRE A ERVA-MATE

Sabia que no mesmo local que hoje está o empreendimento, só que lá no século XIX, funcionava um engenho de erva-mate, um dos mais importantes ciclos econômicos do nosso estado? “A família Guimarães, descendente do comerciante Visconde de Nácar, era proprietária desse mesmo engenho, local de muito comércio. Não à toa que a aptidão comercial da região sempre foi muito forte, pois Manuel Antônio Guimarães, o Visconde, foi um dos maiores negociantes da história do Paraná, bem como exportador de erva-mate e proprietário da maior casa importadora de Paranaguá. O resgate dessa história para a adaptação dos dias atuais é um exercício delicioso de cidadania”, elucida Sabrina

 


GALERIA GUIMARÃES & CIA

R. Amintas de Barros, 270 | Centro

(41) 99285-5777

 

Posts Relacionados

Você tem lado B? Dizem que todos nós temos um “lado B”. Aquele hobby que realizamos, mas que muitas vezes poucas pessoas sabem. Ou pode ser definido como um estilo de ...
Isabelli Fontana Isabelli é mãe de Zion e Lucas e como toda mãe que se preza morre de culpa por deixá-los enquanto embarca para mais uma viagem para uma sessão de ...
Naturalmente Numa viagem para a Tailândia, em 1999, ele descobriu os sabores do Sudeste Asiático, e o que era para ser uma viagem de seis meses durou dois anos. Na...

Viverno digital

Loading...