Giusy quer pintar o mundo

Ela quer transformar os espaços urbanos de Curitiba em verdadeiras galerias a céu aberto

9 de dezembro de 2017 - Por: Redação

comportamento_bora viver giusy

Fotos Pablo Contreras

Esta é a terceira da série de entrevistas com personalidades de Curitiba que contaram para gente um pouco sobre suas missões e o que fazem para se manterem motivados. E aí, qual a sua missão? é inspiradora e pode te ajudar a descobrir a sua.

 

Sou GIUSY DE LUCA, taurina, dona de dois gatos, designer de formação, criativa, produtora cultural nas áreas de artes visuais e criadora do Coletivo Mucha Tinta.

Qual o seu propósito?

Meu propósito é levar a arte para a maior parte da população, transformando os espaços urbanos de Curitiba e região metropolitana em verdadeiras galerias a céu aberto.

Qual seu grande momento?

Participar do N Design (Encontro Nacional de Estudantes de Design), em 2004, que tem o intuito de promover a integração de estudantes de Design e áreas afins, gerando discussões sobre a atividade e abordando as características culturais de cada região que o sedia. Foi muito importante trocar conhecimentos, fazer amigos, ampliar a visão de mercado e de networking.

O que te motiva?

Trabalhar com arte é o que me motiva diariamente. Ter a oportunidade de me expressar criativamente e impactar a vida de outras pessoas é sensacional. A arte amplia a visão de mundo e isso me permite ter vínculos com realidades diversas.

Segredos para se manter inabalável?

Ser uma pessoa grata pela vida e pelas oportunidades de cada dia. Também não pode faltar planejamento, diálogo, amigos, vinho e amor. Trabalho há 13 anos na área cultural e de comunicação, posso afirmar que uma rede bem estabelecida é fundamental para que os projetos ocorram, ninguém constrói nada sozinho.

Em 2018… o Coletivo Mucha Tinta vai realizar uma pintura em grande escala com os goianos do Bicicleta sem Freio e teremos uma exposição da artista Carol W em papel machê com oficinas para crianças. Também participaremos do MICSUL, principal encontro voltado a mercados culturais e criativos da América do Sul, em SP, e estamos aguardando os resultados dos mais de quinze projetos e prêmios inscritos este ano.

 

Posts Relacionados

A volta por cima Na hora das dificuldades a Psicologia ensina que a dor é inevitável, o sofrimento, opcional Por: Luís Fernando Carneiro Fotos: Fer Cesar A foto ac...
Ela não se chama Alice Foto: Mariana Barcellos A pergunta é muito frequente. Mônica Berlitz, criadora do Clube da Alice, volta e meia precisa explicar que não se chama A...
Aqui nessa mesa de bar Ele tem apenas 40 anos, mas parece que viveu mais de cem. Amaury Miranda é sem dúvida um colecionador de histórias, algumas próprias e outras empresta...

Viverno digital

Loading...