Polvos de crochê ajudam a acalmar bebês

Os bichinhos estão sendo utilizados para acalmar prematuros em 5 maternidades do estado

11 de maio de 2017 - Por: Redação

polvinhos ok

Não é fácil ter um bebê prematuro internado em uma UTI Neonatal. Família e criança sofrem com as dificuldades do ganho de peso, possíveis intervenções cirúrgicas e por não estarem em casa. Por isso, toda ação para aliviar essa dor é bem-vinda. A mais recente teve início na Dinamarca e já está sendo praticada em diversas cidades brasileiras. São polvinhos de crochê, confeccionados com fios 100% algodão, que são esterilizados e colocados dentro das incubadoras para fazer companhia aos bebês. Eles acabam agarrando os tentáculos do boneco, o que os médicos consideram ser uma lembrança do que faziam com o cordão umbilical no útero da mãe, e, assim, puxam menos a sonda e os tubos de acesso. “Antes de introduzir a técnica, pesquisamos bastante e decidimos adotar a ideia. Em uma semana, já pudemos observar que os bebês abraçam os polvinhos, seguram os tentáculos, e realmente estão mais calmos”, diz a pediatra Caroline Fukushima, do Hospital Angelina Caron, de Campina Grande do Sul, região metropolitana de Curitiba. A equipe da instituição também elaborou um projeto voluntário em que todas as quintas-feiras as famílias têm aulas para aprender a fabricar os polvinhos. Assim, quando um bebê ganha alta, ele leva para casa o boneco que usou durante a internação e a família deixa lá outro que tenha confeccionado.

As voluntárias do hospital estão aprendendo a técnica do crochê com a designer e artesã Dani Dalledone, de Curitiba. Ela leu notícias sobre o projeto Octo, da Dinamarca e, pouco tempo depois, uma conhecida sua teve um bebê prematuro, que nasceu com 26 semanas. “Fiquei pensando como podia ajudar. Fiz o polvo, fotografei e enviei a ela perguntando se podia mandar. Ela ficou super animada, uma semana depois conseguiu colocar na incubadora com o bebê”, lembra. Depois disso, uma das alunas de Dani fez contato com hospitais para divulgar a ideia. “Fizemos reuniões e então todos começaram a aceitar. Tivemos que correr para entregar tudo!”, conta a artesã. Hoje, os polvinhos já são utilizados na Santa Casa de Misericórdia, em Ponta Grossa, no Angelina Caron, em Campina Grande do Sul, e no Evangélico, Santa Brígida e Maternidade Curitiba, na capital do estado.

Devido à repercussão em todo o país, o Ministério da Saúde divulgou uma nota técnica a todas as secretarias estaduais informando que não recomenda o uso dos polvos nas incubadoras, por não haver comprovação científica sobre seus benefícios. O Ministério esclarece que não proíbe o uso da técnica, mas sua utilização é responsabilidade de cada médico ou gestor. Os entusiastas dos polvinhos de crochê defendem que eles não vão ser mais eficazes que o contato com a família feito pelo método mãe-canguru, por exemplo, mas pode sim ser utilizado em conjunto. “Não é para substituir medicação, cuidados profissionais, mas é um aconchego para aquele bebê enquanto está na incubadora”, opina Dani Dalledone.

A artesã curitibana conta que pessoas de todo o Brasil estão a procurando para ajudar, seja mandando polvinhos ou dinheiro para compra de material. Ela também fez um livrinho impresso no qual ensina a produzir o boneco para deixar nas maternidades, além de um vídeo em seu canal do youtube (THM by Dani Dalledone) e um arquivo em PDF com todas as orientações em seu blog (www.thmbydani.com.br/blog).

polvinhos 1

Posts Relacionados

Coelhinho nos shoppings Pensando nas crianças que mal podem esperar pela visita do coelhinho, alguns shoppings de Curitiba e região preparam atividades especiais com o tema P...
Como montar um prato ideal para as crianças Muitas mães ficam em dúvida na hora de alimentar os pequenos de forma saudável. Há sempre questionamentos sobre quais alimentos são ideias, o tama...
Dicas de brinquedos para as crianças no Natal Tendinha desmontável, a partir de R$ 180 na Loja Garimpê (Rua Tapajós, 521, Mercês)   Triciclo Smart Plus, R$ 399,90 à venda na Xiquita P...

Viverno digital

Loading...