A história viva de Viena

Lar de imperadores e imperatrizes, Viena é intimista e conta com belíssimas construções

6 de julho de 2016 - Por: Redação

 

Por: Marilia Alberti

O que esperar de uma cidade que data de 500 A.C.? No mínimo muita história, um intenso convívio entre diferentes culturas e, obviamente, várias atrações para visitar. Viena é tudo isso e muito mais! Casa de personalidades como Mozart, Freud, Gustav Klimt e da Imperatriz Sissi, a cidade é surpreendente. Imaginar que se está pisando no mesmo solo que celtas, romanos, otomanos e até mesmo Napoleão, e perceber que muito da arquitetura de épocas anteriores ainda se encontra preservada é uma sensação surreal.

Melhor ainda é realizar os desdobramentos de tanta diversidade, como aproveitar a gastronomia, música, ciência e artes. A capital austríaca oferece de tudo um pouco, sempre com muito requinte e simpatia. Como se isso já não fosse o bastante para qualquer um se apaixonar pela cidade, Viena se encontra na extensão leste dos Alpes nas margens do Rio Danúbio. É possível aproveitar desde a natureza exuberante dos parques aos castelos ricos em detalhes em apenas uma viagem de metrô.

Marilia Alberti e o marido Pedro Castro no museu de cera Madame Tussauds

Marilia Alberti e o marido Pedro Castro no museu de cera Madame Tussauds

Tive a oportunidade de vivenciar intensamente Viena durante meu primeiro mochilão pela Europa com meu marido. Decidimos incluir a cidade devido à proximidade com Munique, que já estava em nosso roteiro. A capital austríaca acabou entrando nos planos e nos conquistou.

Quando se faz um mochilão é natural encontrar pequenos problemas no decorrer da viagem, então é compreensível que em certo momento, apesar de empolgado, você se sinta cansado. Era assim que estávamos nos sentido quando estávamos a caminho de Viena, porém logo que chegamos conhecemos um casal que pareceu disposto a desbravar a cidade conosco. Já era um bom sinal de como seria nossa visita.

 

Prater: o mais antigo parque de diversões da cidade com uma roda gigante construída em 1897

Prater: o mais antigo parque de diversões da cidade com uma roda gigante construída em 1897

Voltando a ser criança

O primeiro encontro do nosso quarteto foi algumas horas após chegarmos à capital austríaca. Nos reunimos no Prater, o mais antigo e conhecido parque de diversões de Viena. Os primeiros relatos do local sendo utilizado pelo público para entretenimento são de 1766. Fiquei imaginando quantas pessoas já passaram por lá! Hoje o local oferece diversas atrações, algumas radicais, outras para crianças, e até mesmo um dos famosos museus de cera Madame Tussauds. Após tirarmos muitas fotos com as celebridades de cera e andarmos na roda gigante construída em 1897 e que até os dias atuais é símbolo do lugar, decidimos que o dia seguinte seria para conhecermos os castelos de Viena.

 

Palácio Schönbrunn e seu famoso jardim

Palácio Schönbrunn e seu famoso jardim

O Versalhes vienense

Começamos nossas andanças pelo Palácio Schönbrunn, uma das mais famosas e principais atrações, não só de Viena, mas da Áustria. Construído entre 1638 e 1643, Schönbrunn assistiu diversas mudanças na sociedade e foi severamente danificado durante conflitos que ocorreram na atual capital austríaca. Para nossa sorte o palácio foi não apenas reconstruído, mas expandido e atualmente se encontra incrivelmente preservado. O mais interessante é que esse, como muitos castelos e palácios da Europa, pode ser visitado de diversas maneiras. Isso porque existem dois tipos de visitas, ao interior do castelo, chamada de Imperial Tour, e a Gran Tour, que quem escolhe o que vai visitar é o turista.

Já a entrada para os jardins é gratuita, mas não menos gloriosa, já que conta com diversas fontes, e até mesmo um arco localizado em um monte ao fundo dos jardins do Palácio de Schönbrunn, denominado Gloriette. A recompensa para os que possuem pique para subir até o cume é uma das mais belas vistas do palácio e de Viena.

Para os amantes de música clássica a visita ao Schönbrunn pode ser ainda mais interessante, já que com um pouco de antecedência é possível comprar tickets para um assistir a concertos dentro do palácio e se sentir como um dos integrantes da corte.

 

A bela vista do Palácio Belvedere, construção de 1716 que já foi lar da Imperatriz Maria Tereza e hoje abriga um museu

A bela vista do Palácio Belvedere, construção de 1716 que já foi lar da Imperatriz Maria Tereza e hoje abriga um museu

A bela vista

Após passar quase metade do dia explorando os jardins de Schönbrunn, resolvemos pegar um dos charmosos bondinhos da cidade até o Palácio Belvedere, que em italiano significa bela vista. O que surpreende nesse lugar é que, além de se estar em uma construção de 1716 que foi habitada pela Imperatriz Maria Tereza, ela ainda é um ótimo museu! Lá é possível ver pessoalmente obras como: O Beijo e Judit I de Gustav Klimt.

Mais uma vez os jardins são gratuitos e extremamente convidativos, mesmo no inverno. Aproveitamos para dar aquela esquentada no sol e apreciar a vista dos espelhos d’água e canteiros perfeitamente cuidados. Ninguém é de ferro, então fizemos uma parada estratégica em um dos restaurantes próximos ao Belvedere. Concluímos que uma caminhada seria uma boa opção para ajudar na digestão do famoso e recomendadíssimo schnitzel austríaco. Percorremos a pé o trajeto até a Innere Stadt.

 

Catedral de Santo Estêvão, uma das mais antigas do estilo gótico europeu

Catedral de Santo Estêvão, uma das mais antigas do estilo gótico europeu

Coração da Cidade

Em alemão, Innere Stadt significa “interior da cidade”, uma definição perfeita para essa região que concentra tantas atrações culturais e turísticas. Sempre cheia de turistas e moradores, caminhando por essas ruas você poderá fazer de tudo: comer o melhor da alta e baixa gastronomia, assistir a uma peça de teatro, visitar igrejas históricas e até mesmo conhecer o Mozarthaus Vienna, um museu sobre o compositor.

Nessa parte da cidade o que realmente nos chamou atenção foram as igrejas. Tanto a Catedral de Santo Estêvão quanto a Igreja de São Pedro são imponentes. A primeira é uma obra-prima da arquitetura gótica do século XII, contudo conta com características renascentistas e barrocas. Já a Igreja de São Pedro possui relatos de sua existência desde a Idade Média (no ano de 1137 para ser mais exata), porém a construção barroca que encontramos atualmente começou a ser levantada em 1701. Ela é cheia de detalhes e possui seu projeto inspirado na Catedral de São Pedro, localizada na Cidade do Vaticano.

Heldenplatz, onde fica o Palácio Imperial de Hofburg e a estátua do Príncipe Eugénio de Saboia

Heldenplatz, onde fica o Palácio Imperial de Hofburg e a estátua do Príncipe Eugénio de Saboia

Ainda na Innere Stadt recomendamos que, assim como nós, você caminhe até o Palácio Hofburg, que se encontra na Praça Heldenplatz. Hoje sede oficial do presidente austríaco, o enorme complexo do palácio imperial também abriga museus e instituições culturais. Nesses arredores, caso ainda haja fôlego, se encontram também o Parlamento e a Prefeitura (Parlament e Rathaus) que são dignos de apreciação por sua arquitetura. E quem sabe para fechar essa viagem um pequeno cruzeiro pelo Rio Danúbio até o próximo destino?

 

Marilia Alberti é jornalista e mantém um blog de viagens com seu marido, o Viaje Pelos Nossos Olhos.


Viver no digital

Loading...