Afinal, quem é a Sandy?

22 de agosto de 2013 - Por: Redação

Ela já foi conhecida como a filha prodígio do Xororó, a menina certinha, a boa cantora, a devassa e a polêmica. Com tantas fases e 23 anos de carreira, saber quem é a Sandy de verdade não é uma tarefa fácil. Desde 2007, quando encerrou a carreira com o irmão, ela lançou um CD solo, escandalizou, fez cena e não convenceu muita gente. Como Marília Gabriela disse: “Sandy, você é bem esquisita!”.

Participei da coletiva de imprensa da turnê “Sim”, seu segundo trabalho solo. Eu, que acompanhei sua carreira desde a época do seu primeiro LP (o “Aniversário do Tatu”) até a época da turnê internacional que ela fez ainda com Junior, sinceramente me surpreendi. Descobri uma mulher madura e segura. Sandy não esconde nada, ao contrário do que fazia quando era menina. Naquela época, ela era orientada a falar o menos possível da sua vida pessoal, mesmo que precisasse mentir ou omitir. Quem é que sabe que ela teve mais um namorado? Sim, obviamente não foram só Paulinho Vilhena e Lucas Lima.

Mas o que mudou na sua vida e na sua carreira desde que começou a trabalhar o projeto solo? “Artisticamente tudo mudou bastante. Quando eu cantava com o meu irmão tínhamos que encontrar o nosso som, o que era legal para nós dois. Hoje eu só canto aquilo que gosto, coloco quem eu sou nas letras que escrevo e inspiro as melodias nas minhas referências. Mesmo quando eu estava ao lado do Junior sentia falto de fazer algo que era meu”. Ela ainda explica que tudo isso é uma evolução natural, “a gente vai crescendo, ganha bagagem e amadurece. Não é só assim com a Sandy, é com todo mundo! O problema é que no meu caso as pessoas demoram para perceber que eu cresci, que eu mudei. Sei bem qual o meu lugar e o que sou como artista”.

Outras coisas não mudaram. Ela continua controladora, autocrítica e perfeccionista. “Não gosto de sair do controle, e isso vale para qualquer coisa. Até para bebida. Certa vez tomei um porre e não foi legal, sempre quero saber o que estou fazendo.” A cobrança lhe acompanha em todas as áreas desde pequena. Aos 13 anos ela teve gastrite. “Sei que não foi culpa dos meus pais ou do meu trabalho. Meu irmão tinha exatamente a mesma rotina que eu e nunca sofreu com isso”.

 LIVRE E LEVE

Apesar de ter mais responsabilidades com o trabalho solo, Sandy garante que tem levado uma vida menos corrida desde que abraçou esta escolha. Hoje, sobra mais tempo para malhar, lutar boxe, cozinhar e ficar em casa com o marido, assistindo a filmes e séries de TV, rotina que faz dela adepta do estilo low-profile. A mudança a tornou mais leve. “Hoje me sinto muito melhor, mais segura e madura”. De bem consigo mesma, ela diz que hoje se permite dizer sim (não por acaso o nome do single do seu novo CD), errar e arriscar. “Só faço aquilo que eu gosto e me diverte. Já tenho muitas coisas conquistadas, não tenho medo de tentar e aceitar coisas novas”.

CONTRADIÇÃO

“Meu novo CD é o retrato do momento que estou vivendo”, ela diz. E mesmo que esteja esbanjando autoconfiança fiquei na dúvida ao ouvir uma de suas músicas novas. Em “Aquela dos 30” Sandy canta: “E há pouco tinha quase 20. Tantos planos eu fazia, e eu achava que em 10 anos viveria uma vida e não me faltaria tanto pra ver”. Não parece contraditório? Com isso na cabeça, fiz questão de perguntar o que tinha lhe faltado nos últimos 10 anos. “Ah, a gente acaba sempre fazendo mais planos do que dá para realizar. Eu achava que com 30 anos eu teria feito mais coisas do que eu já fiz, e olha que eu já fiz bastante coisa (risos)!”. “Não sei explicar o que é, mas, quando a gente olha para frente e faz planos para o futuro imagina muita coisa, idealiza, cria, fantasia… Quando nos damos conta, tudo é mais simples do que pensamos e o tempo já passou, aí não conseguimos fazer tudo. Essa foi minha maior conclusão ao completar 30 anos”. De tudo isso, ela ainda comenta que a lição que fica é a que “é preciso correr atrás do que se quer para poder realizar tudo na vida”, mesmo que para isso seja preciso correr contra o tempo.

E mesmo com tantas constatações, Sandy diz que a crise de idade, comum dos 30 anos, passou bem longe dela. “Achei estranho e engraçado. É muito louco fazer 30 anos tão rápido. Eu tinha certeza de que ia demorar mais para chegar à essa idade. Mas é isso, a gente tem que encarar como se fosse qualquer outra época da nossa vida. O importante é viver o momento com intensidade e lembrar de sempre procurar a felicidade”.

“Sabe, não foi fácil encerrar a carreira de 17 anos com o Junior e depois criar um rumo só meu”, desabafa. Sandy conta que no seu primeiro projeto solo ainda estava encontrando quem era como artista e como pessoa, foi um momento de muita busca e autoreflexão. “Na verdade a gente sempre está em busca do que é e da felicidade, não é?”. Quando fala sobre Lucas seus olhos brilham: “Descobri um novo parceiro para me ajudar nessa caminhada. Ele é o produtor do meu show e trabalhar junto com ele só melhora a convivência como casal. Com certeza essa confiança maior em mim mesma vem também da felicidade no casamento”.

Ela não esconde de ninguém que a gravidez é um de seus planos, mas já afirmou que ainda quer fazer muita coisa antes de ser mãe. Depois de vazar um boato na internet de que ela estaria grávida na mesma semana do show em Curitiba todo mundo ficou atento, e, durante a coletiva ela não tirou a mão da barriga. Quando recebeu os seus fãs no camarim, a mesma coisa. Acho que dá para desconfiar. Mas, e quanto a sua carreira, será que agora ela se encontrou?

 

 


Viver no digital

Loading...