Chef Andrea Vieira transforma tortas em experiência no seu novo espaço no Alto da Glória

Mais que uma torteria, um café, uma escola de gastronomia. Para a Chef Andrea Vieira, a Casa de Antonia é um espaço de experiências, uma misto do que viveu em centros como Rio, Paris e Nova York com o carinho da sua própria casa

13 de maio de 2019 - Por: Redação

 

 

O nome surgiu quando a família morava no Rio. “Assim que chegamos na cidade, minha filha, Antonia, que tinha 10 anos, começou a se exibir para os amigos dizendo que a mãe dela cozinhava muito bem, que fazia o melhor brownie de Curitiba. Volta e meia ela pedia que eu fizesse doces para suas amigas e vi que era sua maneira de se entrosar. Percebi que estava comprando amizade com açúcar e pensei, isso funciona”, lembra Andrea. Daí surgiu a ideia de fazer uma pequena escola de gastronomia e o nome não poderia ser outro, A Casa de Antonia.

Tudo estava funcionando muito bem até que a família precisou voltar para Curitiba. O projeto teve continuidade no charmoso café C’est Si Bon, ao lado do Graciosa, até que Andrea entendeu que era hora de voar mais alto. “Queria muito abrir um café, a ideia é que não fosse muito grande, mas quando encontrei esse ponto me encantei. O problema é que era uma construção enorme com cara de farmácia”, lembra. A reforma resgatou vários elementos afetivos, coleções, pratos, utensílios domésticos e uma cristaleira, e o resultado é um espaço cheio de vida, com direito a uma horta.  

 

Torteria?

Nada de competir com o empadão de frango ou palmito da sua mãe. Andrea foi em busca de novos sabores e em formatos diferentes, inspirados em tortas do mundo inteiro para compor um cardápio ao mesmo tempo surpreendente e delicioso. “A torta era uma forma de eu colocar o meu diferencial numa receita. Porque acho que em Curitiba há muito mais do mesmo. Os restaurantes têm quase todos a mesma cara, com cardápios similares, e a gente queria fazer algo que ninguém faz. É algo diferente, mais desafiador”, destaca.

 

_MGL7548  

A conveniência também falou alto nesse novo projeto. “Cada vez mais as pessoas querem cozinhar, porém não têm tempo. Por outro lado, as pessoas querem algo diferente. Demos uma cara nova para as tortas para que as pessoas pudessem levar a torta para casa e fazer uma refeição gostosa e também superbonita”. Para quem quer provar as tortas “in loco”, o espaço está aberto das 12h às 20h. “Outro ponto legal é que uma torta encaixa bem num almoço, num lanche no meio da tarde e num jantar mais leve”.  

 

Cardápio

Entre as opções estão a clássica torta inglesa Pot Pie, as francesas Tarte Tatin (só que feita de tomate com cebola caramelizada, azeitonas e creme de queijo de cabra) e a Galette de cogumelos com ricota, mas mesmo com tantas referências internacionais, a eleita pelo público é a torta de bobó de camarão, coberta com farinha Panko e fitas de coco. “O bobó sempre foi um dos pratos que eu mais gostava de fazer para amigos e o que mais gostavam. Lembrei dele no dia em que eu precisei fazer uma torta de camarão e fugir do padrão empadão, até para não haver comparação com os empadões das mães. É o maior sucesso”, comemora.

_MGL7536


Viver no digital

Loading...